Veja como foi a participação de Artur Grynbaum do Grupo Boticário no Scale-Up Summit

Veja como foi a participação de Artur Grynbaum do Grupo Boticário no Scale-Up Summit

13 November, 2017

Resultado de imagem para Artur Grynbaum do Grupo Boticário

São as pequenas e médias empresas quem sustenta o país. E o que me tira da cama todos os dias é a possibilidade de criar oportunidades. É o que assegurou o presidente do Grupo Boticário, Artur Grynbaum durante o Scale-Up Summit, evento da YE e Endeavor.

Segundo o executivo, o caminho para o brasil crescer é o empreendedorismo e ressaltou que no aqui não é fácil separar os papéis: ou você é empreendedor ou gestor, principalmente se está começando um negócio. “Adianta o empreendedor só lançar as coisas? Se o empreendedor não for gestor é difícil’, disse ele.

Atualmente, o executivo está a frente da maior franquia especializada em cosméticos. Em 2016, o Grupo Boticário cresceu 7,5%, faturou R$ 11,4 bilhões e abriu 100 novas lojas de suas bandeiras: Boticário, Eudora, The Beauty Box e Quem disse, Berenice?

Para Grynbaum o sucesso das marcas está ligado ao tamanho do sonhos das pessoas e como impactar positivamente suas vidas. O Boticário não oferece uma oportunidade de emprego, mas um perspectiva de vida. “O gestor não pode se desconectar das pessoas no crescimento da empresa”, ressalta o executivo.

Nessa conexão, é fundamental dar poder as pessoas para que elas possam empreender dentro da própria organização. “Você tem que mostrar para as pessoas que todas elas podem empreender”. Todo dia é um dia para empreender, basta a pessoa querer. Ele destacou que o sucesso da empresa não depende de uma só pessoa.

Artur Grynbaum falou que para estimular as pessoas inovar é importante saber lidar com os erros. Se repreender muito, o gestor pode dificultar uma possibilidade futura de inovação. Para ele, se o empreendedor não tiver a capacidade de mudar e fazer coisas diferentes, ele não vai a lugar algum.

“A gente não pode se congelar porque teve sucesso uma vez” disse o CEO do Boticário, concluindo que não concorda com a ideia de que time que está ganhando não se mexe.