Quantidade de reclamações na Black Friday volta a subir, após dois anos

Quantidade de reclamações na Black Friday volta a subir, após dois anos

11 December, 2017

Não faz nem tanto tempo de ocorrida a “Black Friday”, mas já foi constatado um aumento quanto ao número de reclamações dos consumidores ao varejistas, durante a referida ocasião, se compararmos esse total com aquele obtido nos dois últimos anos, em que se notava, pelo contrário, uma queda nesse número. Ao menos é esse o resultado do levantamento realizado pelo site Reclame Aqui, que é especializado justamente em queixas de internautas. E para se ter uma ideia da dimensão, basta que peguemos o espaço de tempo que vai das 18h da quinta-feira, dia 23 de novembro, até as 0h de sábado, dia 25 de novembro, para constatarmos então o total de 3.503 reclamações de consumidores. Uma quantidade que é assim, quando comparada com aquela levantada, pelo mesmo site, durante a Black Friday de 2016, então 17% maior.

Agora, comparemos o total de reclamações deste ano (2017), que foi de 3.503, com os totais dos anos anteriores, só para fazermos um panorama completo desses “altos e baixos”: Em 2013, o Reclame Aqui, durante a Black Friday, registrou impressionantes 8.500 reclamações. No entanto, o ano seguinte, 2014, a coisa só piorou, com um aumento de 41,18%, assim atingindo-se as 12.000 reclamações. E foi a partir daí que percebemos uma drástica queda nessa medição, visto que, na Black Friday do ano seguinte, 2015, a queda foi de mais da metade, -63,33%, ou seja, chegou aos 4.400, caindo ainda mais uma vez no mesmo evento do ano seguinte, 2016, quando foram registradas apenas 2.900 reclamações.

Sendo mais específicos, em tratando-se dos tipos de reclamações, se mais ou menos ocorrentes, constatamos então uma repetição consecutiva, ao longo dos últimos três anos, da propaganda enganosa como líder desse ranking de reclamações do site. Neste ano, por exemplo, do total de queixas, só as de propaganda enganosa representaram 13,5%. Mas outras denúncias também tiveram uma ocorrência alta, digna de se destacar, segundo o Reclame Aqui, como as envolvendo sites falsos. Sem contar, é claro, as também não tão raras queixas sobre fretes abusivos e até mesmo mais caros que os próprios produtos, bem como os velhos problemas com o tempo de entrega.

Assim sendo, podemos listar as reclamações mais frequentes, em ordem decrescente, da seguinte forma: propaganda enganosa, com 13,5%; problemas na finalização da compra, com 9,6%; divergência de valores, com 8,8%; produto indisponível, com 3,8%; e, por fim, promoção, com 3,6%.